Temperatura de Cor: qual a interferência no resultado do projeto?

Blog

Temperatura de Cor

Não é novidade que as cores são um fator determinante para despertar emoções e comportamentos nos seres humanos. Isso é comprovado pela psicologia das cores, que retrata o significado e estímulo que cada cor traz. Mas, e a temperatura de cor?

Em projetos luminotécnicos e até mesmo para o design de interiores, a temperatura da cor tem um papel tão importante quanto o significado ou aplicação. Mas, o que essa categoria realmente representa? E qual seu nível de influência nos projetos?

A fim de te ajudar a obter todas essas respostas, desenvolvemos este artigo completo, com tudo o que você precisa saber sobre a temperatura de cor e suas classificações. Basta continuar a leitura e aproveitar todas as informações! 

O que é temperatura de cor?

Temperatura de cor se relaciona à tonalidade da cor emitida por um equipamento de iluminação artificial, como a cor, produzida pela fonte de luz, aparenta. 

Em termos técnicos é, basicamente, a temperatura irradiada de um corpo negro aquecido, medida em K (Kelvin). 

Mas, não pense que as cores de luz consideradas quentes ou frias possuem algum tipo de relação direta com a temperatura física, em Celsius, que uma fonte de luz produz. Temperatura de cor, então, nada mais é do que a aparência da luz. 

Tanto é verdade que, as luminárias LED, por exemplo, apresentam todas as temperaturas de cor citadas mas não emitem calor ou esquentam o ambiente.

Assim, no geral, existem 3 tonalidades ou temperaturas: quente, fria e neutra. 

Cada uma delas apresenta suas próprias peculiaridades, despertando sensações e dando o toque final de ambientação ao ambiente. 

As luzes com tonalidade mais avermelhada, por exemplo, representam a temperatura quente, e geralmente despertam a sensação de acolhimento e tranquilidade. Do mesmo modo, cada uma das outras classificações podem ser associadas a outras emoções e sensações. 

Consciente ou inconscientemente, um ambiente pode ser beneficiado ou prejudicado pela sua forma de disposição da iluminação e das temperaturas de cor escolhidas. 

É importante ressaltar, também, que a temperatura de cor nada tem a ver com a eficiência energética da lâmpada, já que suas unidades de medida são distintas.

Além disso, apesar do nome “temperatura” de cor, a mesma não representa a emissão de calor ou aumento e manutenção da temperatura do ambiente. Assim, as luzes mais “quentes” não deixam o ambiente mais quente, como alguns pensam. 

Por isso, entender sobre o tema pode determinar se o estabelecimento, indústria, escritório ou residência atingirá os seus objetivos e demonstrará os traços de personalidade corretos ou não.  

Lembre-se também que temperatura de cor é algo totalmente diferente de Índice de Reprodução de Cores (IRC). 

Qual a diferença entre Temperatura de Cor e índice de Reprodução de Cor (IRC)?

Como você já pôde perceber, a temperatura de cor é medida em Kelvin (K) e se refere ao aspecto que a luz terá quando incidida no ambiente. 

Dessa forma, ambientes que exigem um clima mais acolhedor e sofisticado demandam luminárias LED de temperatura mais amarelada, enquanto que os ambientes industriais, por exemplo, que exigem mais atenção, demandam temperaturas mais brancas. 

Em contrapartida, o Índice de Reprodução de cor (IRC), se refere à precisão da luz ao reproduzir a cor de um determinado item. Ambientes como comércios de roupas, por exemplo, precisam se atentar a esse detalhe, a fim de que as cores das peças não sejam distorcidas pela iluminação. 

O Índice de Reprodução de Cor apresenta a escala de 0 a 100 (o mais semelhante à luz que o Sol emite no seu pico de iluminação). Assim, o ideal é que os ambientes apresentem IRC acima de 80.

As classificações de temperatura de cor

As classificações de temperatura de cor

Para entender as classificações de temperatura de cor, além de saber qual a finalidade de cada uma e suas aplicações, é preciso saber exatamente quando utilizá-las nos ambientes, a fim de manter a intencionalidade e originalidade da marca ou indivíduo. 

A partir de agora, você entenderá a aplicabilidade de cada temperatura de cor, seja ela quente, fria ou neutra e será capaz de aplicar em seus projetos e vivências. 

Para facilitar a análise, basta pensar nas alterações de cor presentes na natureza. Um estudo realizado pela Lighting Design Lab, dos Estados Unidos, tomou como referência nossa principal fonte luminosa: o Sol

Tabela de temperatura de cor

Segundo o estudo, quando há baixos níveis de iluminamento, ou quantidade de luz no ambiente, como no caso de pores do sol, a temperatura da cor é mais quente, amarelada ou avermelhada. 

O contrário também é verdade: em momentos de altas de iluminamento, como ao meio dia, a temperatura da luz é geralmente mais branca, dando mais destaque e permitindo a melhor capacidade visual. 

Recomendamos que você mantenha este artigo salvo em algum local de fácil acesso para sempre recorrer a ele quando necessário. Você pode fazer isso por enviar a um amigo por e-mail ou redes sociais, por exemplo. 

Quente

A divisão entre quente, fria ou neutra acontece conforme a variação de Kelvin (K), a grandeza de temperatura luminosa. Quanto menor a quantidade de Kelvins, mais avermelhada ou quente é a temperatura da cor. 

Essa temperatura de cor quente, mais avermelhada ou alaranjada, é uma das mais utilizadas em ambientes que desejam estimular a socialização, fraternidade, acolhimento ou tranquilidade e calmaria

Afinal, conforme nossos instintos naturais, quanto mais perto de fontes de luz quentes, como o pôr do sol, maior a produção de hormônios calmantes, como melatonina, que auxilia no sono. 

Ambientes como: 

  • restaurantes;
  • lanchonetes;
  • cafeterias;
  • interiores de casas;
  • e quartos de hotéis são os principais detentores da temperatura de cor quente, de modo intencional, para despertar boas emoções e estímulos relaxantes. 

Fria

A temperatura de cor fria, por sua vez, é totalmente contrária à anterior estudada. As cores mais frias despertam emoções como atenção, energia, foco e transparência. 

Assim, ambientes mais formais e sérios, que precisam de total atenção e precisão utilizam a temperatura fria, com lâmpadas mais azuladas e brancas. Boas aplicações da cor fria estão em:

  • hospitais;
  • indústrias;
  • comércios;
  • shoppings;
  • corporações;
  • escritórios;
  • fábricas;
  • drogarias e consultórios. 

Afinal, em uma sala de cirurgia, por exemplo, a luz é um fator determinante para a precisão das ações humanas, já que permitem uma visualização clara e estimulam a atenção dos envolvidos no processo. 

Neutra

A temperatura de cor neutra, como o próprio nome sugere, se refere ao nível mais neutro de luz, que não exige nem atenção extrema, nem baixa demais. 

Situações e estabelecimentos que permitem níveis moderados de produtividade e foco, por exemplo, são os mais indicados para aderir às iluminações mais neutras. 

Alguns deles, são:

  • cozinhas;
  • lavanderias;
  • instalações sanitárias;
  • ambientes de trabalho em casa, como home office;
  • espaços de coworking e outros. 

Qual é a importância da temperatura de cor para um projeto de iluminação?

A importância da temperatura de cor

Um projeto de iluminação completo precisa, necessariamente, conter a classificação de temperatura de cor dos ambientes. Afinal, as informações precisam ser entregues de modo completo. 

Não basta apenas saber qual a intensidade e quantidade de luz necessária para cada cômodo. Além dos cálculos de luz e número de lâmpadas necessários, a empresa deve informar a temperatura das cores conforme a intenção do ambiente. 

Assim, é possível desenvolver um projeto aplicável com excelente custo-benefício a curto, médio e longo prazo, deixando o cliente satisfeito. 

A influência da temperatura de cor em ambientes industriais

Como você pôde ver mais acima, os ambientes industriais se encaixam na temperatura de cor fria, com sistemas de iluminação artificial mais azulados para manter a atenção, acesso visual e senso de alerta nos funcionários.

É interessante que a iluminação industrial, quando bem planejada, é capaz de:

  • estimular boas sensações nos trabalhadores, além de garantir o conforto visual;
  • reduzir condições como o cansaço visual e sono, através da manutenção do ciclo circadiano natural;

Além disso, a aplicação de luminárias de LED permite a utilização de uma ou mais temperatura de cor em um único ambiente, distribuindo os focos de luz e os fluxos luminosos. 

Vale ressaltar que o ideal, em ambientes industriais, é a faixa de 5.000 Kelvin. Essa variação só pode ser encontrada em LEDs de qualidade, com garantia de 5 anos, oferecidas pela Luter Led. 

Essa faixa também garante a precisão de cores dos objetos. Em indústrias que produzem peças, por exemplo, é essencial garantir a integridade das cores para identificar possíveis deformidades ou alterações na produção. 

Sem dúvidas, um projeto bem elaborado pode fazer toda a diferença em setores industriais, empresariais e comerciais. 

Vale a pena, nessa etapa, contratar uma empresa especializada, como a Luter Led, para garantir o bom desempenho e desenvolvimento do sistema de iluminação. 

Conheça a Luter Led e como podemos ajudar no seu projeto de iluminação!

Conclusão

Percebeu como, apesar de parecer insignificante, a temperatura de cor impacta diretamente no ambiente em que é aplicada? 

O melhor a fazer, então, é garantir o sucesso e intencionalidade dos ambientes através de um bom projeto luminotécnico. 

Se você gostou do conteúdo, o que acha de compartilhá-lo com amigos e membros da equipe?!

We take processes apart, rethink, rebuild, and deliver them back working smarter than ever before.